Mães

Temos a tendência a falar de mais, opinar de mais e sobretudo julgar de mais no contexto da maternidade. O princípio que penso que deveríamos ter todos por base é o de que cada um sabe de si. Nem sempre somos assim (eu também não sou, embora tente disciplinar-me).

Nisto de cada um ser como é, estou feliz por não sermos todos iguais. Viva a diferença. Talvez já tenha caído no erro de julgar quem não tem uma visão semelhante quanto a ser mãe (de certeza que já apontei o dedo a quem faz diferente, mesmo que só dentro da minha cabeça) mas fez-me bem sentar-me à mesa com uma amiga que pensa de forma exactamente oposta.

Quando / se tiver um segundo filho, tenho dito que gostava de fazer uma licença de nove meses. Talvez na altura não seja possível, talvez não possa, talvez não me deixem, não faço ideia. Mas em teoria, se eu pudesse decidir (em família), ou se fosse confrontada com a situação neste preciso momento, decidia fazer licença alargada.

Estava sentada à mesa com uma amiga com quem comentei isto. E a resposta dela fez-me ver que somos todas diferentes e o que realmente importa é termos escolha. Poder escolher. A minha amiga vai fazer três meses de licença de maternidade e nem imagina o que seria fazer mais. Escolheu fazer três meses. Não é menos mãe nem pior.

O mesmo se diga das licenças prolongadas de um ou dois anos.
Não quer dizer que todas as mães o fossem fazer.

Gostava só que tivéssemos escolha, para que as mães (ou pais, naturalmente) tivessem essa liberdade.

BRIGADAO

Falha minha pela qual me penitencio desde já: ainda não tinha falado aqui da Meca das coisas boas: a Brigadão


Vou começar pelo básico: Fica no Mercado da Foz (quem entra, do lado direito) e quase que se pode encontrar pelo cheiro maravilhoso que se sente desde a entrada.
O espaço é muito pequenino mas acolhedor e o que se faz lá dentro é magia - pelas mãos de quem lá está, que é de uma simpatia e atenção que não imaginam.

Para quem gosta de brigadeiros, não vá mais longe. São os melhores do mundo. Adoro o tradicional mas todos eles são bons. Nota especial para chocolate branco, limão, bolacha, doce de leite; todos, pronto. Provem todos!

Além disso, os bolos são de bradar aos céus!
Já encomendamos várias vezes e variamos entre dois: o naked Brigadão e o de brigadeiro branco com mousse de frutos silvestres (ambos nas imagens abaixo). 

Sendo honesta, não há descrição possível. São perfeitos. São bonitos. São tão, tão, tão bons, é um crime não os provar (estou a escrever isto a salivar). 
Corram antes que eu os coma todos! (E não digam que eu não avisei!)








Esta sou eu a descomplicar

Lembro-me da S. no dia em que nos encontramos para um chá lá em casa, ainda em Lisboa.
Trazia o filho de então dois anos e tinha ido passar o fim-de-semana.
Mãe de uma filha de um ano, lembro-me que lhe perguntei,

- Então viajar com ele (o filho) é como viajar com um adulto: só trazes a roupa dele, normal como para nós. Nada de fraldas, comidas, lanches, tralhas?

Não via bem naquela altura como seria possível chegar a esse ponto, porque cada saída de mais do que um dia com a C., implicava termos com sopa, termos com comida, fraldas, toalhitas, resguardos. Uma mala cheia!

A ideia a reter é: cada coisa a seu tempo!

Estou super feliz com a descomplicação que tenho feito e sinto que este fim-de-semana cheguei a um novo nível.

Na sexta-feira tínhamos planeado sair pelas seis, o que significava que chegaríamos a Lisboa pelas oito e meia. Como já seria tarde para fazer jantar, preparei sopa e comida, que coloquei em caixinhas tudo super direito no frigorífico. A isto juntei um jantar para sábado, porque íamos a uma festa de anos em casa, onde se jantaria sushi (que a C. não come). Tudo tão bonito e arranjadinho e... tudo esquecido no frigorífico em casa! (lembrei-me já tínhamos passado Leiria).

Conclusão: fomos sem nenhuma comida planeada para a C. Confesso que ainda tive uns dez segundos de "oh meu Deus, e agora?" mas ter casado com um engenheiro ajuda em muito a minha vida e na simplificação é um mimo.

Tomamos pequenos-almoços, jantamos e almoçamos sempre fora e, guess what, sobrevivemos! Com uma criança a comer maravilhosamente bem em todo o lado e uma mãe contentinha por subir um nível no processo de não complicar.

Novidades para o Porto

Quem me contou foi a NiT: o Intercontinental lançou o brunch aos sábados


Ainda não fomos conhecer mas já está nos planos.
O espaço é lindo e a localização perfeita. Para quem gosta do ambiente da Baixa para passear, está mesmo ali no coração de um sábado bem passado.

Temos um homem a viajar no próximo fim-de-semana mas num dos seguintes não escapa (e voltamos logo de seguida para contar tudo!)

Graças a Deus pelos nossos amigos

Temos a sorte de ter os melhores amigos, gente como deve ser. Somos alguns e muito diferentes em muita coisa mas na essência, no que é importante, somos iguais. Os nossos amigos são boas pessoas, com bom fundo. Contamos com eles para absolutamente tudo (eles connosco também). Gostamos dos nossos amigos como da nossa família (se calhar são mesmo família) e estamos em casa quando estamos com eles. É confortável, natural e isto é claro para nós.

Não deixando de ser sempre claro, há alturas em que é mesmo evidente. E são as alturas em que em vez de estarmos com eles, estamos noutro grupo de amigos qualquer que não o nosso. Aconteceu porque uma amiga (extra grupo) fez anos e ao jantar foi o grupo de amigos dela e nós os dois. O que eles sentem entre eles deve ser parecido com o que nós sentimos entre nós, mas para quem está de fora, é simplesmente estranho. E é nestas alturas que damos graças a Deus por os nossos amigos não se preocuparem com as marcas de roupa que se vestem, que calçam, com hotéis de luxo, carros de alta cilindrada, jóias, dinheiro - porque isso não tem importância nenhuma. Ainda bem que quem é mais o quê, quem tem mais o quê, quem faz mais não é importante. 

Estou grata por eles e pela humildade.

Olá Lisboa

Passamos um fim-de-semana maravilhoso em Lisboa. Dois dias que deram para tudo mas com uma sensação de calma e tranquilidade, como se fosse uma semana. Temos de fazer isto mais vezes, com a nota de que ir à sexta-feira ao final do dia faz rende bem mais  (com bónus extra de ter dado também desta vez para um jantar na Mercantina) 

Acho que o segredo foi não termos planos (à excepção de um jantar marcado no sábado): permitiu que andássemos ao sabor do vento (e do sol, já agora). Ajudou também que no sábado tivéssemos madrugado (há gente nesta família que estranha camas e eu não vou dizer nomes mas começam por P. e C.!). Certo é que às nove da manhã, já estávamos os três na rua!

O sítio onde estávamos fica ali entre a Av. de Roma e Entrecampos: uma localização perfeita entre o Frutalmeidas e a Choupana. Foi exactamente aqui que fomos parar sábado de manhã. Uma esplanada só para nós (e para os amigos que foram chegando ao longo da manhã) e um pequeno-almoço perfeito de sumos, iogurte, fruta, torradas e as maravilhosas panquecas. Não contei mas acho que a C. comeu um pão de Mafra inteiro. 

Já perto do fim da manhã, somos quatro adultos e três crianças na Av. da República e decidimos dar um salto à Gulbenkian. Recordo os tempos em que ir ver os patos à Gulbenkian era uma forma de terapia zen, bem como o dia em que eu muito grávida bebi ali uma limonada que me desgraçou com azia dois dias (única azia da gravidez, by the way).

Passamos o resto da manhã entre patos, peixes, relva e esplanada e debaixo de um sol maravilhoso e daí seguimos a pé para um almoço de amigos-família, com mais uns quantos que entretanto vão chegando. Pelo caminho a C. adormece no carrinho e acorda exactamente com a sopa a chegar à mesa. 

Passeámos por ali, de tarde ainda vamos ao Parque das Nações (como não podia deixar de ser) e à noite temos um jantar de aniversário. Deitamos a C. já passa da meia noite e meia (mas como fez uma sesta antes do jantar está feliz da vida e cheia de pilhas!).

No domingo a madrugada não foi tão grande e quando saímos de casa já são perto das onze, com destino ao DeliDelux. É bom acordar sem planos e decidir na hora o que fazer. A escolha foi a melhor possível, voltar a onde já fomos felizes. Recomendo o brunch mais leve e mais uma vez tenho uma criança que comeu pão de malte como se a vida dependesse disso. Saímos sem rumo e lembramo-nos entretanto de Monsanto, para onde nos pomos a caminho - mas uma criança cujo nome também não vou dizer faz o favor de adormecer no carro e ficamos todos ali à volta dela, no parque de estacionamento do parque. Yeah!

Passamos a tarde com amigos e regressamos ao Porto às seis, com a sorte imensa de ter a C. a adormecer ainda não saímos de Lisboa e a acordar na garagem! Jantou às nove e meia mas não faz mal - eu estou a aprender a descomplicar. E venham mais fins-semana!

Adenda ao post anterior



O meu homem sempre atento, e que hoje até esteve de férias, ouviu as minhas preces e quando cheguei a casa tinha as telas penduradas e a futura parede das fotografias liberta para as receber.
Palminhas, palminhas! Tudo a andar!

Decoração (e uma nota especial ao meu homem)

Mais vale ser honesta: sou uma naba em decoração.

Adoro ver casas, imagens, detalhes mas em execução deixo muito a desejar. O que é pena. Adorava ter uma daquelas casas em que tudo foi ao pensado ao mais ínfimo pormenor e onde tudo é bonito. Não falo de casas-museu, capa de revista; essas não me dizem nada. Gosto de casas com vida, onde mora gente feliz, onde há histórias a serem contadas em cada canto, onde há fotografias de perder de vista, quadros, apontamentos. 
Bem sei que é preciso tempo para ter uma casa assim. Tempo que ainda não tivemos, desde que nos mudamos há quatro meses. 
Mas é preciso também jeito, inspiração, talento.

Na nossa casa tivemos alguma pressa em por tudo a andar nos carris. Penduramos os quadros que tínhamos. As cortinas. Os sofás têm almofadas. Temos algumas peças de decoração de que gostamos (muitas de viagens). Mas falta muita coisa.

Falta a cabeceira da nossa cama;
E as mesinhas de cabeceira;
Estão dois quadros por pendurar no nosso quarto, que descansam em cima da cómoda há um mês;
Há uma tela no corredor encostada à parede que também ainda não foi pendurada;
O quarto da C. é o que já sabemos;
O hall de entrada precisa de uma mão urgente;
Há uma parede de fotografias para ser feita desde que me lembro;
Falta qualquer coisa numa das paredes da sala;
A parede por cima do móvel da cozinha ia ser de prateleiras, depois de azulejos, depois de pratos e afinal ainda não é de nada;
O escritório ficou como veio ao mundo (e tantas vezes falamos dele e da mudança que precisa);
O varão das cortinas da sala tem de ser trocado por um mais fino;
Queria um tapete grande para o andar de baixo

(Espero que o meu homem esteja a ler com atenção!)

Gosto muito da minha casa mas sinto que ainda não está como gostaria que estivesse.
E sempre que vejo imagens de decoração (que tenho visto muito, para inspiração kids), a fúria da mudança bate mais forte.
Estamos sempre à espera de um dia perfeito para por pés ao caminho e tratar do que falta, mas depois é sábado e vamos almoçar não sei onde, depois é domingo e não apetece, à semana não dá jeito e adiamos e as coisas nunca se fazem. Tentarei ter isto sempre presente para não me esquecer porque pode não parecer importante, mas para mim é.

(Estavas a ler com atenção, não estavas?)


Plantar uma arvore

Risquei em Março da minha to do list um item particularmente especial: plantar uma árvore. Foi uma prenda de aniversário do meu homem (falei disso aqui) e uma actividade que fizemos em família, entre o cavar a terra, plantar, regar e cuidar dela a partir daí todos os dias. Devo dizer que a mais empenhada é a C., que rega todos os dias e diz entusiasmada que a nossa árvore vai dar maças pequeninas (é uma macieira bebé).

Tinha grande fé que crescesse em alguma coisa mas as minhas expectativas foram largamente ultrapassadas: em apenas um mês, a nossa árvore está a coisa mais maravilhosa que a natureza já viu! Cheia de flores e folhinhas, tão, tão bonita que me emociono sempre que a vejo - e ainda por cima está no jardim da entrada pelo que nos cruzamos diversas vezes ao longo do dia. Nem quero imaginar como estará daqui a alguns meses.

Não tenho infelizmente foto do antes, mas era simplesmente um pauzinho de madeira enterrado na relva (já assim, fofinho). Agora, transformou-se num cisne:


Arrume a sua casa. Arrume a sua vida

Há algum tempo que tinha curiosidade em ler este livro. 
Não ache que seja desarrumada por aí além mas reconheço que há coisas em que queria melhorar. Nunca tinha surgido a oportunidade até que aqui há dias um colega que promove um sistema de empréstimo de livros dentro da empresa, mo emprestou. Andou ainda algum tempo em cima da mesa da cozinha (desarrumado!) até que me decidi a pegar nele na última viagem de comboio Porto - Lisboa - Porto (e em seis horas, li-o todo).

O que reter?

Bom, primeiro não sinto total identificação com o livro; para ser sincera aliás, só a primeira parte me fez pensar um pouco na minha própria situação; 
Depois, é sempre necessário ler com algum grão de sal este tipo de publicações e admitir visões diferentes.

Posto isto, notas que me fizeram sentido:

- O processo de arrumar a casa como ela o vê, deverá demorar no máximo 6 meses.
- Devemos arrumar por categoria e não por divisão (isto é, roupa e não quarto ou livros e não sala);
- O primeiro momento do processo é: decidir o que deitar fora;
- Decidir o que deitar fora faz-se desta forma: todos os itens da categoria a arrumar são postos num mesmo sítio e para cada um deles de forma individual devemos perguntar "dás-me alegria?". Tudo aquilo em que a resposta seja - honestamente - sim, fica; tudo o que não, vai (ela fala várias vezes em deitar ao lixo, mas acho que podemos fazer a nossa interpretação e doar por exemplo);
-Terminada esta tarefa, entra a parte da arrumação propriamente dita, onde também dá algumas dicas com que não me identifico muito, salvo talvez a de arrumar as coisas da mesma categoria no mesmo sítio (exemplo: não ter livros espalhados por toda a casa mas concentrá-los todos no mesmo sítio) e da forma de organizar roupa.

De resto, tem algumas passagens que de facto não me disseram nada, como deitar livros fora, como de esvaziar todos os dias o conteúdo da carteira ou mesmo como agradecer a todas as coisas diariamente (obrigada carteira, obrigada sapatos, obrigada casaco).

A parte boa de ter lido este livro?
Estou com uma fúria de arrumar a roupa!
Já decidi o dia: será no feriado.E vou fazer uma coisa que nunca fiz antes: pegar em todas as peças de roupa que tenho em casa (de todos os armários, gavetas, sacos de arrumação, verão e inverno) e em todos os sapatos,botas, etc e pôr tudo no chão. Para cada uma destas peças terei de decidir se quero manter ou dar - talvez não exclusivamente com base no critério da alegria, mas numa óptica qualquer de que hei-de me lembrar. Espero reduzir drasticamente a quantidade de tralha.

Logo no início do livro pergunta-se qual o motivo de querermos arrumar. E eu estive a reflectir e acho que quero arrumar para ter mais coisas que usar. Parece um contra senso? Não é.
A verdade é que com os armários e gavetas todos apertados, acabo por usar sempre as mesma peças porque não vejo as outras. Variar está na forma como temos a organização e a que eu tenho actualmente (e nos últimos anos) não me permite ver a globalidade das coisas que tenho. Esvaziar os armários daquilo que não uso, vai dar-me espaço para ver o que gosto de usar. 

Talvez possa existir um outro motivo, que tem a ver com o arrumar a vida depois de arrumar a casa, mas a isso só poderei chegar depois de arrumar efectivamente - portanto falamos mais tarde sobre isto. Até lá, wish me luck!


Post Modern Jukebox

Dia 12 de Abril. Coliseu do Porto. Nove e meia.

Saímos de casa ao final da tarde para um copo no Base, essa esplanada aos pés dos Clérigos, cheia de gente na relva a aproveitar o fim do dia - e que dia esteve! 

Jantar - se é para a desgraça é para a desgraça - uma francesinha cheia de quilos que vão directos para as ancas e barriga mas que estava maravilhosa. E perdoe-se o mal que faz pelo bem que sabe.

Entramos no Coliseu precisamente às 21:30 h. e dez minutos depois temos o PMJ ao vivo e a cores, fabulosos como sempre!

Um concerto espetacular, curiosamente o último da tour. Ovação em pé de uma casa praticamente cheia (o que não deixa de ser engraçado porque de todas as pessoas a quem disse que ia ver PMJ, recebi uma cara de ponto de interrogação). Muito, muito bom.

Destaque em especial para a Halo (exibição perfeita!) e para o momento a solo do pianista, que tocou Rui Veloso - fica sempre bem.

E obrigada ao meu homem pela prenda de aniversário de efeito retardado (e por ter descoberto esta banda).

Decisions, decisions...!

Andamos às voltas com o quarto da C.
Queria passá-la para uma cama "normal" (isto é, tirá-la da cama de grades) e com isso aproveitar para fazer um remake ao quarto. Mas tenho as ideias a pairar na minha cabeça, sem chegar a conclusão nenhuma.

Posto isto, numa espécie de organização, tenho o seguinte:


Cores:

Adoro o verde água mas não vou fugir aos brancos, rosas e beiges. Talvez possa ter um ou outro apontamento com cores pastel - e espero com isto não transformar o quarto da míuda numa mixórdia cromática.


Cama:

Não fechamos totalmente a decisão mas temos a cama quase escolhida. Será branca, básica, para não cansar. Embora adore aquelas camas-casinha em madeira, baixas, tenho algumas reticências quanto à proximidade ao chão, facilidade de a fazer e fartar-me dela ao fim de um ano ou dois.


Tamanho:

Tirei as medidas todas para aproveitar o espaço ao máximo, sem contudo o encher demasiado. Para nós, o quarto é o espaço de dormir e tem de ser calmo e confortável. Uma cama, um cadeirão e uma cómoda são os móveis base, acompanhados depois por alguns:


Detalhes:

Os detalhes fazem toda a diferença em qualquer espaço e quero que no quarto da C. também. Poderá ser um cantinho mais especial, algumas peças de decoração, um tapete, não sei ainda. Pormenores que fazem a diferença.


Originalidade:

Aqui reside o meu maior problema. Adoro os quartos do pinterest mas acho-os absolutamente todos iguais. Vejo as mesmas peças centenas e centenas de vezes e gostava que o quarto da minha filha fosse mais original. Sei que também aqui são os detalhes que fazem a diferença mas queria algo único.


Alguma inspiração (disto tudo e de nada disto)










Já agora, outra coisa boa do bom tempo

Bicicletar !

No fim-de-semana passado voltamos aos nossos passeios de bicicleta. Sinal claro de que voltou o bom tempo (vamos ver..!)

Com isto, lembro-me de que podia muito bem adoptar este meio de transporte diariamente no percurso casa-trabalho-casa e deixar de ser preguiçosa. Pena que o caminho é a subir...!

Outra coisa de que me lembro é que em ano de eleições, todos os presidentes de Câmara teriam a ganhar se melhor servissem as suas cidades de infraestruturas para quem anda de bicicleta. Nomeadamente, vias próprias para o efeito. Deixo a dica e prometo um voto!

Lisbon, baby

Malas e bagagens para três durante dois dias: Lisboa, aqui vamos nós outra vez.

Motivos:
- Aniversário de uma amiga;
- Visitar bebé que nasceu de outra amiga;
- Visitar outro bebé que nasceu de uns amigos

Só em orçamento para prendas (bebés mais irmãos mais velhos dos bebés) e deslocação vai uma renda de casa. Mas quem corre por gosto não cansa, por isso, siga!


Sábado, 09.00 h.

Estive a pensar e decidi que a hora perfeita para acordar ao sábado é às 09:00 horas.

Porquê 09:00 horas?

- São mais duas horas do que à semana e duas horas a mais é espetacular!;
- Já não é madrugada;
- Depois de tomar banho, vestir, tomar pequeno-almoço, etc. são perto das 10:00 que é perfeito para sair de casa,
- A manhã rende imenso e
- Tenho a sensação de que consigo aproveitar mais o dia.

Na realidade, o que acaba por acontecer é que acordamos às oito e tal (no último sábado, 08:30) mas  a sensação de que ainda é cedo faz com que nos andemos a arrastar e só estejamos prontos para fazer alguma coisa da vida já depois das onze e meia. Shame on us. Mas se alguém perguntar, acordamos às 09:00.